By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 

A Entrada da Energia Elétrica

Elétrica

 Jorge Knirsch

Introdução

O título “Otimizando um Sistema de Som”, referente à série de artigos que tenho escrito nos últimos meses, é na verdade um título por demais redundante. Nos últimos anos, para ser mais preciso nestes últimos 21 anos em que abracei este apaixonante hobby, só venho procurando otimizar o meu sistema e não tenho feito outra coisa além disto! Tenho procurado, por todos os meios, encontrar alternativas para melhorar a reprodução do meu som, sempre com o objetivo de chegar a imitar o som tocado ao vivo, mas tendo como despesa o menor custo possível. Tenho certeza de que este também não deixa de ser o almejado objetivo da grande maioria dos nossos leitores! Assim sendo, não tem mais sentido dar este título aos nossos artigos, pois obviamente “otimizar um sistema de som” é a razão de todos eles! A partir de agora, portanto, daremos diretamente o título de que trata o artigo propriamente dito.
     
Nos nossos últimos artigos sobre energia elétrica, analisamos e tratamos das várias opções que temos para ligar os nossos equipamentos à rede elétrica. Analisamos sete situações diferentes como, por exemplo, quando a tensão do equipamento é diferente da tensão da rede. Num caso destes, vimos que precisamos utilizar um autotransformador e, a partir daí, verificamos que conseqüências este procedimento acaba trazendo para o resultado sonoro do nosso sistema. Vimos também outras situações que costumam ocorrer com maior freqüência na nossa vida real.
      Após ter escrito aqueles artigos, um amigo de Aracajú me ligou falando a respeito de outras duas situações que eu não havia considerado. Algum tempo depois, outros leitores também mencionaram estas mesmas duas situações. Sendo assim, quero aqui tratar delas, pois é provável que sejam duvidosas para alguns de vocês também.

© 2004-2008 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
http://www.byknirsch.com.br

Oitava Situação: Qual a melhor entrada de energia?

Vai aqui a pergunta: vale a pena a gente puxar uma fiação exclusiva da caixa de entrada de energia da nossa residência ou apartamento, para alimentar o nosso sistema de som e vídeo?
      A resposta a esta pergunta é um declarado sim! Vale muito a pena! Puxar uma fiação específica de alimentação para o nosso sistema traz algumas vantagens muito importantes: para o som, há uma melhora no palco sonoro, mas a principal melhora ocorre na separação dos instrumentos e vozes, ou seja, um silêncio maior entre as notas se torna evidente. Além disso, aparece uma melhora no foco. Há vantagens também para a imagem do vídeo, que fica mais nítida! Com todas estas vantagens, só posso recomendar vivamente que vocês façam este “up grade” ! A razão técnica para isto é que, com este procedimento, ocorre uma pequena redução do conteúdo harmônico da energia que chega ao equipamento e é isso que traz as melhoras descritas.
         Mas agora vocês me perguntarão: de onde devo trazer esta fiação? Da caixa de distribuição de energia de dentro da casa ou apartamento, ou devo trazer direto da entrada de energia da residência ou no caso de um prédio, de lá de baixo da caixa de energia? Evidentemente, será muito melhor trazer da entrada de energia da residência ou da entrada de energia do prédio. Isto porque, quanto maior for a distância de onde você trouxer a energia, melhor e maior será o efeito benéfico sobre o som e sobre a imagem do seu sistema. Sei que, no caso de prédios é muito difícil trazer a energia diretamente da entrada do prédio, mas garanto-lhes que vale a pena o esforço e o trabalho que vocês vão ter. A melhora é audível!! Aqueles que já participaram de cursos de percepção musical, vão me entender, em razão das experiências que lá realizamos.
         Antes de prosseguirmos nos aprofundando em como realizar esta nova entrada de energia para o nosso sistema, vamos à nona situação, pois ela está correlacionada à oitava. Depois voltaremos a dar mais detalhes de como realizar esta nova fiação.

Nona Situação: Quantas fases deve ter o sistema?  

A pergunta é: quantas fases da rede elétrica devemos utilizar para o nosso sistema de som e vídeo? Será que, se utilizarmos mais de uma fase, fará alguma diferença?
        
Aqui a resposta é novamente um declarado sim!! Esta pergunta é atualmente uma das que mais têm sido feitas, como por exemplo vimos fazê-la o Indaulto de Brasília, na seção de cartas, em uma das últimas revistas.
        Bem, a resposta teórica é que, quanto mais fases utilizarmos, melhor será a qualidade sonora que poderemos atingir. Esta qualidade sonora fica evidentemente restringida às três fases, que é o máximo de fases que a concessionária coloca à disposição do usuário. Porém, a resposta prática não é esta, mas a seguinte: na prática, o ideal é utilizarmos duas fases e também o neutro. Isto, por três razões muito simples:
         Em primeiro lugar, a vantagem que a segunda fase traz é muito maior do que a vantagem acrescentada pela terceira fase. Portanto, a melhor relação custo/benefício se atinge com a segunda fase. Em segundo lugar, a terceira fase nem existe na maioria das residências aqui no Brasil, de forma que, se alguém quiser utilizá-la talvez tenha que fazer uma solicitação especial à concessionária local, para daí puxar essa terceira fase e trazê-la à sua caixa de entrada, evidentemente com custos adicionais. E por último, em muitas regiões do Brasil, a terceira fase possui uma tensão diferente e mais alta do que as outras duas e, portanto, não poderá ser utilizada.
         Porém, existe um detalhe muito importante quando se usa mais de uma fase no sistema. É necessário se tomar muito cuidado com o neutro para não ocorrer uma “Queima por Perda de Neutro”. Leiam o nosso artigo Alerta: O Perigo da Perda de Neutro”, colocado aqui no site, para se familiarizarem com este assunto.
         Através das consultorias e instalações que estamos realizando por todo o Brasil, tenho me deparado com um volume impressionante de entradas ligadas de forma incorreta, quando duas ou mais fases e neutro são utilizados nesta entrada! Este é um fato que realmente chama a atenção!! O mercado, inclusive, tem oferecido aparelhos que apresentam um erro básico de construção, onde este tipo de problema já aparece inerente à sua própria constituição, como os condicionadores de energia que utilizam duas fases e o neutro na entrada, resultando na queima aleatória dos aparelhos ligados a ele!!
 

E o Aterramento : faz diferença ?!

Ocorreu-me agora fazer uma décima pergunta (e espero que seja a derradeira!), para completar o espectro de perguntas: vale a pena se fazer um aterramento para o nosso sistema de som e imagem? A resposta aqui é novamente um declarado e entusiástico sim! Sim, vale muito a pena e por dois motivos:
         A primeira razão é devido a uma melhora audível no som. Vocês podem achar que estou inventando, mas felizmente já fiz tantas experiências, com e sem terra, em sistemas de som, que não há mais dúvidas: o aterramento de um sistema de som e vídeo melhora a qualidade sonora e também a da imagem!! Há outros poucos audiófilos e videófilos,  como melômanos também, que já fizeram experiências neste sentido, os quais também confirmam esta afirmação! Aterramento faz diferença, sim senhor! Mas ... é incrível!!  A maioria não acredita nisso! Nós estamos falando já há algum tempo que a acústica e a energia elétrica são os maiores fatores de sucesso em um sistema de som e vídeo e ... a maioria dos próprios audiófilos e videófilos não concebe nem realiza isto! Até entendo, porque eu mesmo levei 20 anos para chegar a esta estarrecedora conclusão! Espero que vocês levem bem menos tempo que eu, por favor! (Desculpem o desabafo!).
         Porém, entendo porque muitos não adotam um aterramento. A primeira experiência que fizeram trouxe muito ruído ao sistema! Isto porque fizeram um aterramento com um “loop de terra”. Leiam nossa série de artigos a respeito de aterramento, para saberem o que vem a ser isto.
         A segunda razão é por motivo de segurança. A existência do aterramento evita, no caso de um mau funcionamento de algum aparelho, a possibilidade de você vir a levar um choque elétrico, se encostar na carcaça do equipamento. Além disso, todo sistema de proteção que porventura você tiver no sistema (como por exemplo os condicionadores de energia) funcionará melhor, se existir um aterramento adequado. Isto vale também para proteção contra transientes e raios.
         Em 1997, publicamos uma série de cinco artigos sobre aterramento. Nestes artigos, já colocados no nosso site, tratamos, com relativa profundidade, toda a teoria e prática do aterramento. Ali você aprenderá como realizar um terra para o seu sistema e também saberá como e quais os equipamentos que deverão ser ligados ao terra. Cuidado, não são todos os aparelhos que, indiscriminadamente, deverão ser ligados ao terra!
 

Conclusão 

Vimos neste artigo alguns dos pontos mais importantes a serem considerados, (entre eles os aparelhos de filtragem, os quais já tratamos no último artigo desta série e já se encontra no site), a fim de obtermos uma energia mais pura para o nosso equipamento, com uma conseqüente melhora na qualidade do som e da imagem do nosso sistema, além de aumentar consideravelmente a segurança de toda a nossa aparelhagem.
         Após a acústica, sem dúvida nenhuma, a energia elétrica é o aspecto mais importante para a otimização de um sistema de som e imagem e já vem sendo assim considerado por audiófilos e melômanos no Brasil inteiro.
         E aí, a entrada de energia, o número de fases e o aterramento são os pontos mais relevantes.
         No próximo artigo, vamos tratar destes aspectos de uma forma menos teórica e mais detalhada. Pretendemos dar a vocês algumas sugestões práticas de como realizar uma melhor entrada de energia, indicando os principais produtos que poderão ser utilizados, com relação por exemplo aos disjuntores e cabos. Também faremos um resumo dos artigos que já publicamos sobre aterramento,  trazendo uma explicação de como realizá-lo em um apartamento que não possui o terra central.
         Desejo a todos uma boa audição! Espero que todos venham a ter uma boa entrada de energia e um bom terra e sem perda de neutro!! Isto fará diferença!!
         Aquele abraço!!

 Voltar

 - PRODUTOS, PROJETOS E INSTALAÇÕES

  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2008-2018 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br