By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 

 DINÂMICA I

Cd de Referência

 Jorge Knirsch

 Introdução 

A dinâmica no áudio é realmente um dos assuntos mais controvertidos que existem. Penso que a maioria dos audiófilos ainda não teve a oportunidade de ouvir, de fato, uma alta dinâmica e alguns, embora falem dela, na realidade ainda estão por conhecê-la. Vamos aproveitar esta oportunidade para falar sobre este assunto de forma mais detalhada. Em primeiro lugar, veremos qual é a sua importância relativa que a dinâmica tem entre os parâmetros da percepção musical. Em seguida, mostraremos os fatores que mais a influenciam e, finalmente, apresentaremos um primeiro cd de referência neste quesito.

 

© 2004-2008 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
http://www.byknirsch.com.br

 

QUAL A IMPORTÂNCIA DA DINÂMICA

 

A dinâmica é a vida da música. É a diferença da intensidade sonora entre o som mais alto e o som mais baixo que ouvimos, por exemplo, em um concerto. Ela mostra os altos e baixos do acontecimento musical e assim traz vida e calor à música. Evidentemente que, ao vivo, a dinâmica pode passar do limite de pressão sonora tolerável e agredir nossos ouvidos. Ela é medida em dB e, a cada 3dB, a intensidade sonora é dobrada.

Na reprodução sonora ela também é muito importante, porém, para podermos apreciar uma boa dinâmica reproduzida, alguns outros parâmetros devem ser satisfeitos antes deste. O parâmetro mais importante da reprodução eletrônica é o equilíbrio tonal, também chamado de neutralidade. Sem ele realmente fica muito difícil qualquer reprodução, sob qualquer aspecto. Os graves, médios e agudos devem estar bem equilibrados. Os graves não devem ser retumbantes, mas secos e definidos. Os médios não devem ser duros e proeminentes, nem recuados, mas agradáveis e com uma composição harmônica correta, e finalmente os agudos não devem ser metálicos nem ardidos, mas sim aveludados e com extensão.

O corpo harmônico vem em segundo lugar, pois na verdade este parâmetro está ligado com o equilíbrio tonal. Ele deve estar presente e ser compatível com a sala. Mas o corpo harmônico não deve ser confundido com as ressonâncias do grave. Um grave retumbante atrapalha muito a audição correta, pois altera a reprodução e não nos permite perceber o corpo harmônico correto dos instrumentos/vozes da gravação. Para que o corpo harmônico esteja correto, é essencial que os graves estejam tratados acusticamente e estejam bem secos.

 Em seguida a estes dois parâmetros relevantes, vem a dinâmica: os altos e baixos da música. Ao contrário ao pensamento corrente, a dinâmica depende mais da acústica e do volume da sala do que dos equipamentos em si. Por exemplo, salas ditas nas medidas de ouros, ou seja, construídas na relação de 1 : 1,618 : 2,618, conforme vários estudos na AES (Audio Engineering Society), possuem uma forte atenuação em freqüências abaixo de 35Hz e ressonâncias muito fortes entre 60 e 70 Hz, prejudicando de sobremaneira o equilíbrio tonal e o corpo harmônico e em conseqüência a dinâmica. E, quanto menor o volume da sala pior fica a reprodução. Nestes casos, a dinâmica também fica realmente muito prejudicada. Além disto, existem dimensões de salas com proporções inadequadas para o som, que apresentam pobre dinâmica na reprodução devido a relação de suas medidas. Inclusive, o posicionamento correto das caixas acústicas, na sala, influi de sobremaneira o resultado da dinâmica da reprodução. Portanto, é muito importante que a sala, com suas dimensões relativas  e seu volume, permita uma reprodução plana e seca que não seja nem viva e nem morta. Em salas mortas a dinâmica será percebida com muitas distorções.

O segundo fator que traz grande influência à dinâmica é a correta instalação da energia elétrica e o seu adequado tratamento, que não deve tornar os agudos estridentes. Mas mais importante ainda, para não engordar os médios baixos, casos tão comuns no nosso meio, é estar de sobreaviso com os aparelhos que usam transformadores sub-dimensionados.

O terceiro fator que influencia a dinâmica são os equipamentos, pois normalmente atendem a dinâmica muito melhor do que os outros fatores anteriormente mencionados. Não são raros os julgamentos equivocados da dinâmica de equipamentos, quando a acústica e a elétrica da sala não estão em ordem, pois é exatamente aí onde realmente se dá o problema da reprodução.

 

© 2004-2008 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
http://www.byknirsch.com.br

 

Tenho notado também, ultimamente, em sistemas do topo do pinheiro uma influência muito grande dos cabos de interconexão. Existem cabos que não permitem uma boa reprodução da dinâmica enquanto alguns outros, poucos, são muito mais rápidos e transmitem grande vivacidade à reprodução musical.

Além de tudo isso que mencionamos, precisamos ainda analisar a mídia gravada, principalmente os cd´s. Este fator, em conjunto com a acústica, é talvez a parte mais triste da dinâmica. Os cd´s, de forma geral, hoje mais do que no passado, são muito comprimidos. A maioria deles, principalmente os de rock, não possuem mais do que 3dB de dinâmica, o que realmente é pouquíssimo! Enquanto que um concerto ao vivo pode chegar a algo em torno de 100 a 120dB de intensidade sonora, a melhor gravação poderá, na prática, não passar de, no máximo, algo em torno de 60dB! Esta é uma entre várias razões porque um cd reproduzido não chega nem ao menos perto de uma reprodução ao vivo. A dinâmica ao vivo é muito maior e, com isto, a transmissão musical ao vivo é muito mais real.

Se os cd´s de rock possuem algo em torno de 3dB, como falamos, pasmem, os cd´s ditos audiófilos, de forma geral, não vão além de 6 a 10dB de dinâmica. Isto é muito pouco! Agora  vejam, o cd que estamos apresentando aqui é comercial e chega a algo em torno de uns 20dB. Possuo alguns cd´s especiais que chegam até 60dB, porém não são comerciais e vocês não conseguirão achá-los: são os cd´s da revista AUDIO alemã. Esta revista trouxe várias matérias sobre este assunto como sendo o "Pé de Aquiles" das gravações modernas.

Na gravação o que limita a dinâmica gravada é a compressão do sinal de áudio na captação deste sinal. Em cd´s de rock chega-se a usar o "limiter" para não passar do limite máximo do nível possível de gravação. Gravações mais antigas apresentam menor uso de compressão e, com isto, tocam mais baixo em um dado volume. Isto quer dizer que, se você tem um cd que toca baixo, significa que ele foi pouco comprimido e terá provavelmente passagens mais altas. Estes cd´s normalmente são melhores e colocados a reproduzir em um volume adequado e correto transmitem uma vivacidade maior do acontecimento musical. Cd´s muito comprimidos, em salas de audição crítica, não reproduzem com muita naturalidade. A reprodução não fica mesmo muito natural. Ou seja, em outras palavras, em uma sala de audição crítica, a percepção da dinâmica gravada é muito forte e, com o tempo, sua audição começa a dar preferência para cd´s com maior dinâmica.

 

 

                    HUGH MASEKELA: HOPE

 

   

Os dados são:

 

                    Título                           : hope

                    Gravadora                 : TRILOKA Records 2002;

                    Principais Artistas    : Hugh Masekela;

                    Código de Barras    : 7-93018-52152-9;

                    Eng. Gravação         : Dave Hewitt;

                    Eng. Mixagem          : Bernie Kirsch;

                    Data Gravação        : 30/31/Julho;01/Agosto/1993;

                    Local                         : Blues Alley, Washington, DC.

 

© 2004-2008 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
http://www.byknirsch.com.br

 

A melhor faixa deste cd é a última, a faixa 12: Stimela (The Coal Train) muito famosa. É usada por diversas empresas como faixa de demonstração. Por exemplo, a Burmester e a B&W, usaram esta faixa em seus cd´s de referência. No entanto, a gravação do original é melhor do que nestes cd´s remasterizados, onde a dinâmica é reduzida. Ouça a primeira vez com volume moderado para você se familiarizar com o cd, e depois aumente o volume com bom senso. Seu sistema não pode distorcer nas passagens mais altas! Outra faixa muito boa é a faixa 3: Mandela. Este cd é interessante porque também é muito bom no quesito de palco sonoro. Recomendo o cd mais antigo, usado, copiado do original, que vocês poderão encontrar na Amazon ou no Second Spin. Vale a pena conferir!

Boas audições!

Aquele abraço a todos!! Até a próxima!!

 

Voltar

 - PRODUTOS, PROJETOS E INSTALAÇÕES

 

  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2008-2018 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br