By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 


Número 19

Equipamentos e Cabos

  Jorge Knirsch

CABOS DE FORÇA FAZEM DIFERENÇA? COMO PODEREMOS AVALIÁ-LOS?

 Introdução 

Existe, no meio do áudio, muita discussão em torno dos cabos de força dos equipamentos. Afinal, eles apresentam ou não diferenças sonoras? E como poderemos avaliar se um cabo de força é melhor do que o outro?

Em muitos aparelhos de entrada, o cabo de força não é destacável. E aí já surge outra pergunta, se vale a pena trocá-lo, caso seja possível, por um cabo destacável.

Vamos discorrer aqui sobre esses assuntos e mostrar o que um bom cabo de força deve apresentar em termos de resultado sonoro.

Cabos de Força Fazem Diferença?

             A resposta a esta pergunta vai depender do sistema em que a análise estiver sendo feita. Se o sistema for um sistema de entrada, a diferença, se houver, será apenas marginal, de pouca relevância. Assim, aparelhos que já vêm com os cabos de força instalados, a troca por cabos de força de melhor qualidade, em regra geral, não compensa, não vale o custo investido. Normalmente, nos sistemas de entrada, como os equipamentos são mais simples, o resultado sonoro depende em muito da topologia eletrônica empregada. Não compensa investir apenas no cabo de força, mas sim, primeiramente, em uma melhor eletrônica, para melhorar o som como um todo e, depois, então, nos cabos de força, quando se tornarem os elos mais fracos do sistema. Não esqueçam que, para otimizar um sistema de áudio, devemos identificar o próximo elo mais fraco do conjunto. Normalmente, os cabos de força não são os primeiros itens a serem otimizados em um sistema de entrada, nem em muitos sistemas Hi-Fi e nem até mesmo em muitos sistemas High End. Já nos sistemas de referência, os cabos de força podem assumir uma importância igual a qualquer um dos equipamentos e cabos do sistema.
            Assim, quando um sistema cresce, vejam bem, os aparelhos também já terão cabos de força destacáveis e, a partir daí, quando o cabo de força for o elo mais fraco, é de bom senso otimizá-lo para um cabo de melhor qualidade.

De Onde Vêm as Diferenças Sonoras?

 

Em regra geral, toda substituição de cabos deve trazer uma maior resolução e detalhamento, sem alterar o equilíbrio tonal. Isso, pré-supondo que o sistema esteja equilibrado, tanto no seu todo quanto em cada um dos seus componente. Acontece que, normalmente, na substituição, associado a esta maior resolução, poderá ocorrer também um desequilíbrio tonal, que deverá, de alguma outra forma, ser corrigido. Isto acontece com cabos e com os próprios equipamentos de áudio.

Como vocês sabem, a energia elétrica é constituída pela freqüência fundamental, que aqui no nosso meio é 60 Hz, com uma tensão em torno de 120V. Só que essa energia vem acompanhada de inúmeras impurezas elétricas, que nós chamamos de harmônicos e que são em múltiplos ímpares da freqüência fundamental. Evidentemente, estes harmônicos possuem tensões muito mais baixas do que a fundamental. À medida que os harmônicos aumentam de ordem, estas tensões vão caindo. E à medida que o nosso sistema cresce em refinamento, estas impurezas da energia elétrica podem se tornar cada vez mais audíveis e modificar a qualidade sonora do que estamos ouvindo nas nossas caixas acústicas. Estes harmônicos, de forma geral, limitam a formação do palco sonoro de um sistema. Vejam a palestra que proferimos no I Seminário de Música, Ciência e Tecnologia na USP: Palestra: Os Harmônicos da Energia Elétrica no Áudio .  

Assim, todo cabo de força não deixa de ser um filtro, pois pode alterar o conteúdo harmônico da energia elétrica e que pode ser audível em nossas caixas acústicas. Colocado desta forma, o melhor cabo de força é aquele que deixa passar com a menor atenuação possível a freqüência fundamental e atenua fortemente a passagem dos harmônicos de ordem superior (3ª, 5ª, 7ª e assim por diante).

Vejam que o cabo de força tem uma tarefa bem diferente da dos outros cabos de áudio. Enquanto o cabo de força deve deixar passar apenas uma freqüência, a de 60Hz, onde está a grande parte da energia elétrica, os outros cabos de áudio, de interconexão ou de caixas acústicas, devem deixar passar o sinal de áudio em uma banda extensa de 20Hz a 20KHz sem alterar o sinal de entrada. A diferença é muito grande e, portanto, por exemplo, nenhum cabo de caixas é muito adequado para ser um cabo de força, e vice-versa. A parte construtiva, na geometria e na isolação, assim como na parte condutora destes cabos é bem diversa.  Existe muita confusão a esse respeito. Esta base técnica pode ajudá-lo a discernir entre um cabo e outro no seu sistema.

Um cabo de força, então, trazendo uma maior resolução e detalhamento pode trazer um equilíbrio tonal favorecendo os graves, pois se é um bom filtro e está corretamente projetado, ele deve estar reduzindo os harmônicos de freqüências maiores e com isto seu equilíbrio tonal pode tender para os graves. Agora, estes graves podem estar excitando as ressonâncias da sala e portanto poderão estar embolados. Aqui já entramos em outra área, que não vamos abordar aqui.

Portanto um bom cabo de força, com o evidente aumento da resolução e do detalhamento, pode favorecer os graves que deverão, de alguma outra forma, serem compensados, caso estejam em excesso, por exemplo, com os vários sistemas anti-ressonantes possíveis na compensação das vibrações do chão para os equipamentos, restabelecendo assim o equilíbrio tonal. O ideal era de que o cabo de força aumentasse a resolução e o detalhamento sem perda do equilíbrio tonal.

Assim, um cabo de força que valoriza a região das altas freqüências não me parece apropriado, pois está atenuando a fundamental (60Hz) e deixando passar os harmônicos de freqüências mais altas da energia elétrica de forma que deve ser rejeitado. Caso você, mesmo assim continue a usá-lo, é muito provável que venha a fazer compensações para o restabelecimento do equilíbrio tonal que deixará seu sistema em um galho do pinheiro.

Concluindo: os melhores cabos de força aumentam a resolução e o detalhamento do evento musical e poderão, caso não sejam totalmente equilibrados, valorizarem os graves. Mas nunca os agudos!!


                   http://www.byknirsch.com.br/produtos-cabos-connect-indice.shtml

 
  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2008-2018 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br