By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 


Special Guest

VINIL VERSUS CD

Mídia Gravada

  Wram R. C. Accorsi


                 Em plena era do som digital, o vinil sobrevive “misteriosamente”. Por que isto ocorre? Você conhece as diferenças entre o vinil analógico e todos os demais formatos digitais, tais como o CD, DVD Áudio, SACD, arquivos de download, etc.?
                 O vinil, assim como o gravador analógico de fita, são os últimos representantes do som analógico. Neles, o sinal musical é representado por uma réplica física do sinal musical original, na íntegra e em pequena escala, o qual depois sofrerá amplificação. No caso do vinil, os sulcos e ondulações físicas do disco submetem a agulha a vibrações mecânicas sucessivas, as quais reproduzem o evento acústico original gravado em baixa amplitude.
                 Já no processo digital, a grande e fundamental diferença que temos é, primeiramente, uma partição sucessiva das intensidades do sinal original em muitos e muitos segmentos ao longo do tempo (a chamada “freqüência de amostragem”, no mínimo 44.000 vezes por segundo no caso do CD). Cada um destes elementos recebe uma codificação numérica computacional proporcional à magnitude da intensidade do sinal musical nela contida. Esta fragmentação do sinal original assemelha-se aos quadros sucessivos de um filme convencional de cinema, que retrata uma cena dividindo-a em eventos menores. O sinal digital, assim dividido e codificado em cada um de seus pequenos pedaços, posteriormente será reunido novamente, antes de sofrer a amplificação, como ocorre com o sinal analógico do vinil. A vantagem intrínseca de se “pulverizar” o sinal assim, no processo digital, é que, por ser convertido em números, tudo fica muito mais fácil, no sentido de o sinal posteriormente sofrer processamentos vários por dispositivos computacionais, com perdas pequenas em cada estágio, em comparação a um processo puramente analógico. Este processo também tem a vantagem de facilitar o seu envio por meios eletrônicos, como por exemplo, através da internet.
Já o vinil é uma mídia não transportável eletronicamente, e seu sinal é passível de rápida degradação fora de seu ambiente próprio. Mas como diz um conhecido técnico oriental, meu amigo, o sinal digital é como “um bolo”, que uma vez fatiado em mil pedaços, jamais voltará a ser o mesmo quando reunido novamente pelo conversor digital/analógico (D/A)!

 

         Esta é, de modo simplificado, a essência de toda a questão e a explicação de muitas das diferenças entre o vinil e as mídias digitais. Se ouvirmos atentamente o vinil e o CD, vamos notar algumas diferenças clássicas, que parecem revelar os diferentes princípios empregados em cada um dos processos. Estamos pressupondo aqui o melhor dos equipamentos de vinil em comparação com o melhor equipamento digital. Ouvindo-os, podemos perceber que o vinil apresenta um som mais aberto, que parece sair livre e desprendido, de modo muito contínuo, originando-se do próprio espaço, de maneira talvez mais solta e natural e com agudos mais frágeis e delicados. Por outro lado, as mídias digitais apresentam um som mais incisivo, rápido e preciso, com melhores transientes e contornos delineados no ataque dos instrumentos, talvez mais cristalinos. Porém o timbre geralmente não se mostra tão rico, orgânico e sedutor como o conseguido pela melhor das cápsulas fonográficas. O som digital geralmente é, espacialmente, mais “fechado” em relação ao vinil (embora com ótima imagem), e os graves das mídias digitais muitas vezes soam mais sintéticos e menos naturais. Em termos gerais, o vinil é mais orgânico, e as mídias digitais mostram-se mais precisas.
              O que é melhor: CD ou vinil? Com o estabelecimento das mídias digitais, ficamos livres dos ruídos de superfície e de fundo dos LP’s. Mas temos constatado também que os CD’s apresentam muitas diferenças de prensagem, principalmente quando esta é feita em diferentes países ou até mesmo em diferentes fábricas num mesmo país, e isto é muito perceptível na audição, aparecendo como falta de transparência de imagem, além de ocorrerem distorções nos agudos. Na época do vinil, os LP’s oscilavam muito em qualidade, de forma imprevisível. Mas, em seus melhores exemplos, são sublimes, como nos discos de corte direto, que representaram o ponto mais alto da tecnologia fonográfica, nos quais o som ia do microfone diretamente à mesa de corte, sem passar por gravadores de fita intermediários, assemelhando-se à fita master.


                        LANÇAMENTO!!
 

Elemento Antivibratório com Mola e Espuma Vibspring VS-P 01E

 
  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2008-2018 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br