By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 


Número 235

Espuma, Lã de Vidro ou Lã de Rocha? Que Material Usar?
 

Acústica

  Jorge Knirsch
jorgeknirsch@byknirsch.com.br

              Introdução         

       Na acústica, usamos vários tipos de materiais absorvedores, para a confecção dos absorvedores porosos. Os mais comuns são a espuma, a lã de vidro e a lã de rocha.

 

© 2006-2016 Jorge Bruno Fritz Knirsch
           Todos os direitos reservados
           http://www.byknirsch.com.br

 

 

Os Absorvedores Porosos

 

      Absorvedores porosos são os elementos acústicos ideais para se absorver freqüências médias e, principalmente, agudas. Eles não têm a finalidade de absorver graves, pois teriam que ter um tamanho muito grande para alcançar esta finalidade, o que retiraria muito do volume da sala. Usamos absorvedores de membrana para o tratamento dos graves.
      De forma geral, a absorção feita pelos absorvedores porosos depende tanto do material usado quanto da espessura deste material. A grosso modo, podemos dizer que o absorvedor irá absorver a partir da freqüência onde a espessura do material usado corresponde a um quarto do comprimento de onda desta freqüência. Por exemplo, se tivermos colocado na parede um material absorvedor com uma espessura de 50mm, o absorvedor poroso começará a absorver a partir da freqüência de 1.720Hz, freqüência esta que já está no agudo.

     Recordando a fórmula para este cálculo: o comprimento de onda vezes a freqüência é igual à constante da velocidade do som (344m/s). Dito de outra maneira: a freqüência é igual à constante da velocidade do som dividida pelo comprimento de onda. No nosso caso, temos que:

                                  f =      344_  _  = 1720 Hz
                                         0,05 x 4


      Mas o ponto que gostaria de abordar aqui é a diferença entre as características físicas destes materiais mencionados acima. Atualmente, o mais comum deles, em aplicações acústicas, sem dúvida alguma é a espuma, por ser mais em conta. No entanto, é um material que possui baixa densidade e tem o grande problema de se decompor ao longo do tempo, perdendo a sua forma original, além de que tem um coeficiente de absorção menor do que os outros materiais nas mesmas condições. Não recomendo o uso de espuma face a estes problemas inerentes. Já a lã de rocha possui algumas densidades acima da espuma, porém não deve ser usada em absorvedores
móveis pela razão de se esfarelar com a trepidação. A lã de vidro, por possuir densidades mais altas, absorve as freqüências mais baixas e tem a grande vantagem de ser um material mais inerte. O único inconveniente dela é que pode causar alergias em algumas pessoas, quando do manuseio na instalação. No resultado final, a lã de vidro é que oferece o melhor resultado sonoro.
      No nosso laboratório existia um absorvedor poroso, atrás das caixas acústicas, que continha espuma. Após um longo período, esta espuma se decompôs. No lugar dela, colocamos lã de vidro de 80kg/m3 e 50mm de espessura. Realmente, ficou uma maravilha! O agudo da lã de vidro é mais natural do que o da espuma! Quem desejar, poderá vir conferir! É só agendar conosco.

           Boas audições a todos! Aquele abraço! E até a próxima!

powerline Audiófilo, Special e Protect
                  

 
  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2008-2018 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br