By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 


Número 254   

MITOS AUDIÓFILOS

Acústica

  Jorge Knirsch
jorgeknirsch@byknirsch.com.br

             Introdução 

Publicamos, em dez/11, um artigo a respeito de mitos no áudio, onde trouxemos alguns pontos importantes na ocasião. Quem desejar receber este Audiophile News 71, enviando um e-mail à nós, o enviaremos para vocês. Lendo o livro de Jim Smith, Get Better Sound, dois mitos audiófilos vieram à minha memória e gostaria de os expor aqui, pois ainda são muito difundidos no nosso meio.

 

© 2006-2016 Jorge Bruno Fritz Knirsch
           Todos os direitos reservados
           http://www.byknirsch.com.br

 

Mitos Audiófilos

 

Quanto mais caro os equipamentos do nosso sistema, melhor será a qualidade sonora!

 

 É uma ilusão imaginar que os aparelhos mais caros, no nosso sistema, irão melhorar a qualidade sonora final. Como fala Jim Smith, na capa do seu livro, os componentes de áudio de um sistema trarão apenas a metade da qualidade sonora resultante. Realmente, o que traz a outra metade do resultado sonoro é, principalmente, a sala, seu volume e as suas dimensões, a saber: comprimento, largura e altura (muitos se esquecem da altura!), assim como a localização das caixas acústicas, na sala, e também o ponto de audição do ouvinte, que são muito importantes. Nós também temos afirmado, nos nossos artigos e nas nossas palestras e cursos, que a sala é a metade do resultado sonoro que escutamos. Isto é valido para qualquer sistema de áudio, seja ele de entrada, high-end ou um sistema de referência.


         
As anomalias que o volume de uma sala e suas dimensões transmitem a uma reprodução sonora superam, em muito, quaisquer variações sonoras que qualquer um dos componente eletrônicos possa vir a apresentar. A sala, principalmente nos graves, pode trazer diferenças que superam, em muito, até mais de 10dB de variação na pressão sonora da reprodução em várias frequencias. E, interessante, na grande maioria das revistas de áudio, nacionais ou importadas, o “aparelho” menos revisado e comentado é a sala de audição. Em algumas revistas importadas, os equipamentos de áudio empregados para realizar avaliações auditivas de equipamentos são mencionados, mas as medidas das dimensões da sala de audição não são mencionadas. Estas medidas dariam uma indicação da distribuição modal da sala, permitindo avaliar principalmente os graves, na reprodução, que podem estar induzindo o avaliador a algumas conclusões tendenciosas.

Isto tudo não quer dizer que sou contra a compra de equipamentos melhores. Bem pelo contrário. Sou a favor de up grades no sistema, contanto que você conheça as características sonoras da sua sala. Além de que, mexer nas dimensões da sala, via de regra, é muito mais barato do que os valores dos equipamentos de nível mais alto.
        
Nestes ajustes todos, da sala, da posição dos equipamentos, da posição das caixas acústicas e do ouvinte, a consultoria de um profissional da área pode ajudar muito a otimizar o prazer da audição e aumentar o envolvimento musical.

 

Salas com paredes não paralelas são melhores!

 

Este também é outro mito audiófilo, porém mais difundido entre o pessoal de estúdios. Mito, este, muito enraizado e de difícil eliminação. É verdade que, na teoria, paredes não paralelas tendem a diminuir as ondas estacionárias, porém não as eliminam! Na realidade, a previsão de como estas ondas estacionárias irão atuar, fica muito mais difícil de se antever e, com isto, dificulta muito a realização correta, por exemplo, do posicionamento das caixas acústicas e do ouvinte na sala. Assim, prever o som destas salas é realmente uma advinhação! Levando-se em conta que os dois volumes em que é dividida uma sala (por um plano imaginário e virtual, que passa entre as caixas acústicas e pelo ouvinte), devem ser iguais, as paredes não paralelas dificultam muito a construção e previsibilidade acústica.

Desta forma, damos preferência às salas em forma de paralelepipedos, que são muito mais fáceis de serem ajustadas, sempre dependendo da relação otimizada entre o comprimento, a largura e a altura.

 

Sugestão: analisem seus sistemas segundo conceitos fundamentados. As ações práticas que dai resultarem melhorarão o resultado sonoro!

 

O MAIOR SEGREDO PARA OBTERMOS UM BOM SOM É, ANTES DE TUDO, TRATARMOS CORRETAMENTE O GRAVE DA SALA!

           Aquele abraço!! Ótimas audições a todos!! E até a próxima!

powerline Audiófilo, Special e Protect
  


 

 
  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2008-2018 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br