By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 


Número 402
 

Uma Pitada de Analógico

 

Mídia Gravada

Flavio Adami
flavioadema@uol.com.br

        

          A Revista alemã stereoplay lançou uma série de cd's, quatro ao todo, até o momento, que muito nos surpreendeu, não só pela excelente escolha das músicas, como também pela qualidade de gravação. O lançamento desta série começou a partir de maio de 2013 e terminou, agora, em abril de 2018. Os cd´s vieram junto com as revistas e, para obtê-los é preciso comprar as publicações correspondentes, diretamente na Editora Weka, que publica a stereoplay e a AUDIO, na Alemanha.

© 2010-2020 Jorge Bruno Fritz Knirsch
   Todos os direitos reservados
 http://www.byknirsch.com.

          O interessante desta coletânea é que todos esses cd´s partiram de discos de vinil, muito bem escolhidos, com excelente qualidade sonora e ótima conservação, onde não se ouve nenhum ruído de fundo.
         Vejam, a seguir, porque a gravação desta série foi tão primorosa, conquistando qualidade sonora surpreendente, face aos cuidados na escolha dos equipamentos usados.
          O cd Vol.1, lançado em maio de 2013, teve como fonte o toca discos EAT Forte, com braço Graham, e cápsula de referência Titan-I, da Lyra, ao custo de EUR 5.200. Pré de Phono Audio Research 2SE, ao custo de 14.700 EUR. Pré amp. Pass e conversão A/D Ayre QA-9, ao custo de 4.000 EUR. Foi utilizado um software gratuito da Audacity. A limpeza dos discos foi feita a partir de um Loricraft, modelo PRC 4, ao custo de 2.650 EUR.
          O cd Vol.2, lançado em março de 2014, utilizou um toca discos Thorens TD 155, com braço Thorens TP 92/12, ao custo de 7.500 EUR, com cápsula Etna, da Lyra, pré de phono Audio Research 2SE, conversor A/D QA-9 Ayre. Conversão digital Avid Pro Tools 11.
          O cd Vol.3, lançado em junho de 2016, utilizou um toca discos Thorens TD 907, com braço TP 92/12, e cápsula Etna da Lyra. Pré de phono Musical Fidelity, MX Vinyl, gravação digital 24/96 Micstasy e software de limpeza digital Sequoia. A limpeza dos discos ficou por conta da Clearaudio Double Matrix.
          E o cd Vol.4, lançado em abril de 2018, utilizou um toca discos Clearaudio Statement, com braço tangencial TT1, cápsula MC Goldfinger Statement, pré de phono Absolute Phono, da Clearaudio, ao custo de 11.000 EUR. A masterização foi realizada por Andreas Spreer da Tacet, com interface de áudio RME Fireface com o software Sequoia 24/192 KHz.
          Agora vem a grande surpresa. Na sala de audição crítica do Jorge, foi utilizado um cd-player Yamaha CD-S3000, ao custo de US$ 6.000, pré Mark Levinson ML326S e power ML532H. Toca discos Rega RP-3, com fonte separada, cápsula Ortofon Quintet Black e Pré de Phono Thorens MM 008. A sessão analógica, reconhecemos, não está naquele mesmo nível da gravação destes cd´s, mas deu para perceber claramente que, quando temos uma fonte analógica perfeita, com equipamentos de alto nível, transformada para digital, ou seja, quando temos uma gravação ADD, a sonoridade no cd-player fica no mesmo nível do disco de vinil, se não melhor, considerando toda essa loucura realizada pela revista stereoplay alemã, que foi uma brincadeira muito cara, mas com um resultado excepcional, o que prova que o calcanhar de aquiles do digital são as gravações DDD, que transmitem pouca emoção. Como prova disso, temos as gravações ADD, feitas pela Bauer Studio, na Alemanha, com gravadores de fita Studer A820 analógicos, onde o resultado final é absolutamente muito mais musical do que o dos cd's convencionais.
          Fizemos também algumas comparações com os vinis originais correspondentes. Por exemplo, no cd Vinyl Classics Vol.4, da stereoplay, a faixa 6 é a famosa Take Five, do Conjunto The Dave Brubeck Quartet. Ao ouvirmos o vinil original, constatamos que o cd está tocando melhor, visto que o sistema digital do Jorge é superior ao seu sistema analógico. Outra faixa, que comparamos, foi a faixa 8, Blue in Green, de Miles Davis, do cd Vinyl Classics Vol.3, onde também estávamos com o original em vinil em mãos e, neste caso, o cd também tocou discretamente melhor, também considerando a qualidade dos vinis e as máquinas que foram usadas para a limpeza dos mesmos.                      

          Ótimas audições a todos! Aquele abraço!                               


 

 
  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2008-2018 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br