By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 


Número 453

 

O CD não Morreu!

Mídia Gravada

Flavio Adami
flavioadema@uol.com.br

        

          Estamos vivendo novamente a era do vinil. A sua qualidade de áudio, sem dúvida nenhuma, é incontestável! Entretanto, no vinil, nem tudo são rosas. Existem problemas de prensagem, tanto que, nas antigas gravações, há uma diferença de valor muito grande entre os de primeira prensagem em relação aos lançamentos posteriores, sendo que as primeiras prensagens normalmente possuem uma qualidade melhor.

 
 

© 2010-2020 Jorge Bruno Fritz Knirsch
   Todos os direitos reservados
 https://www.byknirsch.com.br

         

          Em relação a ruídos, às vezes compramos LPs que já vêm com riscos de fábrica. E também é sempre necessário lavarmos os LPs diversas vezes, em máquinas especiais, para termos um bom resultado sonoro. E, além do mais, temos que observar que de nada adianta um toca discos mal regulado com uma cápsula de má qualidade...
          No entanto, quando ouço uma gravação direta, de excelente qualidade, num vinil, tenho vontade de jogar todos os meus cds no lixo, pois a diferença sonora é muito grande, principalmente nos graves, muito mais precisos e extensos, sendo a região média muito mais quente e os agudos mais doces e cristalinos, em relação ao cd do mesmo título
, por melhor que tenha sido a remasterização.
          Recordo-me que quando surgiu o cd, o som era horrível, duro, com médios e agudos metálicos. Atualmente, as gravações digitais evoluíram muito. No nosso curso de avaliação musical, usamos vários exemplos de gravações, em cd, com uma qualidade de áudio excepcional. Isso, sem contar com as gravações que são tiradas diretamente de LPs e passadas para o cd, numa proposta feita pela revista alemã stereoplay, que nos deixou surpresos pela qualidade sonora praticamente igual à do vinil!
          Além disso, hoje, muitos estúdios, como o da Bauer, na Alemanha, utilizam gravadores analógicos Studer e, a partir deles, surgem cds com uma qualidade de áudio superior. E, mais ainda do que isso, os gravadores de rolo estão voltando, com lançamento de fitas pré gravadas, onde a qualidade de áudio tem sido incrível e incontestável! Parece que esta é a melhor reprodução eletrônica da atualidade e até já está virando coqueluche!
          Várias tentativas para a evolução dos cds foram feitas. O SACD (Super Audio Compact Disc), foi uma delas, oferecendo melhor qualidade de áudio, por meio de uma taxa de até 64 vezes mais bits, que a de um cd convencional. Os SACDs, também chamados de cds híbridos, precisam ser reproduzidos em um player SACD, pois quando reproduzidos por um cd player convencional sua qualidade de áudio fica limitada à de um cd padrão.
          No Japão, estão surgindo os HQ (High Quality cd´s), ou HQCD, que utilizam plástico de policarbonato com maior transparência para obter um áudio de melhor qualidade, onde uma liga especial de alumínio é usada como material na camada refletora do cd. Também, no Japão, estão surgindo os SHMCD (Super High Material Compact Disc), que são discos compactos de alta qualidade, que utilizam, como revestimento, uma resina de policarbonato usada nos painéis LCD dos televisores. Com esta técnica, a qualidade do som fica melhorada, pois proporciona uma leitura a laser mais precisa.
          Há também, no mercado, os novos UHQCD, que estão sendo muito bem recebidos. Entre a superfície protetora de policarbonato, do cd, e o stamper (superfície onde se grava a informação digital em pits e lands) é introduzida um nova camada de um fotopolímero flexível, onde são gravadas as informações digitais. Em seguida, esta camada é endurecida com a aplicação de luz ultra violeta, procedimento que tem possibilitado uma reprodução mais precisa.
          A meu ver, a qualidade de um bom vinil ainda é imbatível. Um toca discos de qualidade, bem regulado, com uma cápsula de alto padrão, junto àquele visual charmoso que os toca discos oferecem, é fantástico! Porém, aqueles que acreditam no cd também estão trabalhando para conseguir um resultado ainda melhor, num sistema à prova de pipocas, ruídos e chiados.
          Muita coisa está para rolar debaixo desta bridge over troubled water! Aguardem!    

          PS.: Com o grande sucesso dos workshops de Avaliação Musical, realizados neste início de ano, iremos oferecer mais um curso, que ocorrerá nos dias 10, 11 e 12 de maio. Este próximo workshop lhes permitirá avaliar seu sistema de som e realizar correções técnicas, além de permitir, a cada participante, saber que tipo de ouvinte é: sintético ou analítico! Cada curso tem vaga apenas para 4 participantes e a inscrição será por ordem de chegada. Acessem o Audiophile News 438, para obterem maiores informações. 

          Aquele abraço!                                                                                


 

  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2010-2020 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br

 pelos se