By Knirsch - Produtos, Projetos e Consultorias
  Uma Entrevista com Jorge Knirsch

Veja o teste:
 do
 
powerline Audiófilo lf-115
 
http://youtu.be/QDZqmV4LgME

 
  Veja os comentários de Fernando Sampaio (RJ) a respeito de fiação sólida e aterramento do neutro.
Carta de Clientes

 
 
 
Veja os produtos à venda em:

Usados

 
 
     
 

 
     
 


Clique aqui para conhecer nosso informativo eletrônico e inscrever-se para recebê-lo em seu e-mail.

 
     
  Novos Cabos de Energia By Knirsch para instalações elétricas em áudio/vídeo
 Power Cable AC-25, 40
,60 e 100
 
     
  Antes de construir, otimizamos as medidas da sua sala de audição,
 Home Theater
, e afins.
 


Número 423

 

O Beabá do Som

 

Equipamentos e Cabos

Flavio Adami
flavioadema@uol.com.br

        

          Nós vivemos cercados de sons 24 horas por dia. Seja através de ruídos, canto de pássaros, buzinas, latidos e tudo mais que faz com que nossos ouvidos estejam permanentemente ligados. Sem dúvida, a música é o que mais encanta e nos deixa emocionados e relaxados, quando escutamos algo agradável.

 

© 2010-2020 Jorge Bruno Fritz Knirsch
   Todos os direitos reservados
 https://www.byknirsch.com.br
 

          Os sons são produzidos a partir de vibrações. Quando algo vibra, produz som. Para o ser humano, o som corresponde a uma quantidade de vibrações que varia de 20 vezes por segundo, até 20.000 vezes por segundo. No reino animal, os elefantes sentem vibrações a partir de 12 vezes por segundo, e as baleias a partir de 8 vezes num segundo. Já os cachorros percebem vibrações que podem chegar até 45.000 vezes por segundo.
          Quando dizemos "vezes por segundo", chamamos isso de Hertz ou Hz, uma homenagem ao físico alemão Heinrich Rudolf Hertz, o primeiro cientista que descreveu o fenômeno. Existe o KHz, sendo o "K" a expressão de 1000 unidades, ou seja, 20 KHz é igual a 20.000 Hz.
          A quantidade de vibrações que cada espécie animal consegue captar é chamada de espectro audível. Para o homem, o espectro audível é de 20 Hz a 20 KHz. Esse valor máximo se reduz com a  idade. Nos dia de hoje, convivendo com o excessivo ruído que as cidades  proporcionam, juntamente com a idade, os ouvidos, na média, ficam comprometidos nas altas freqüências, principalmente quando se utiliza fones de ouvidos em volume excessivo.
          Nós sentimos as vibrações através de dois órgãos, o ouvido e o labirinto. O labirinto é responsável por sentir os sons muito graves, entre 20 e 60 Hz, que são muito mais percebidos pelo labirinto, do que pelo próprio ouvido.
          Como dissemos, para se criar um som é necessário colocar algo para vibrar. O exemplo mais comum são os instrumentos de corda. No violão, as cordas são dedilhadas. No violino, usa-se um arco. No piano, o teclado aciona martelos que batem nas cordas. Como o som produzido pelas cordas é fraco, precisa ser amplificado pelo corpo do instrumento (caixa de ressonância). Ao deslizarmos as mãos pelo braço do violão, por exemplo, alteramos o comprimento das cordas e, com isso, conseguimos diferentes freqüências.
          Para os instrumentos de sopro, quem vibra é o ar soprado dentro de um tubo. Da mesma forma que nos instrumentos de corda, a freqüência do som produzido varia de acordo com o comprimento, a espessura e a forma do tubo. Tubos mais grossos, como o da tuba, produzem sons mais graves. Tubos mais finos, como o da flauta, produzem sons mais agudos.
          Quando uma corda ou o ar vibram, o fazem em uma freqüência fundamental ou tom fundamental. Mas muito raramente algo produz uma única freqüência, com exceção do diapasão, que produz freqüências puras, de 440 Hz por exemplo. Caso estejam interessados em se aprofundar neste assunto, consultem os seguintes artigos: Audiophile News 50, Audiophile News 52, Audiophile News 55, Audiophile News 216, Audiophile News 322.  
          Quando ouvimos um instrumento tocando uma nota, estamos ouvindo a fundamental e mais os seus harmônicos, gerados por esse instrumento. O contrabaixo, na sua corda mais grossa, gera uma freqüência de 40 Hz, na fundamental e, no primeiro harmônico, (x2) 80 Hz, uma oitava acima, e assim por diante.
          Como cada instrumento gera uma quantidade de harmônicos diferente da dos outros, temos sonoridades diferentes. É o timbre que nos permite diferenciar uma mesma nota musical, tocada em um instrumento ou em outro. O som da nota é como se fosse a impressão digital de cada instrumento, permitindo diferenciá-los.
          Um equipamento de áudio, de alto nível, tem essa incumbência, de proporcionar aos nossos ouvidos toda plenitude sonora, todo corpo harmônico, toda textura e, apesar de ainda estar longe da reprodução ao vivo, está sempre tentando buscar a fidelidade máxima possível.

          Ótimas audições a todos! Aquele abraço! E até a próxima!                              


Não desejando mais receber Audiophile News responda a este e-mail com a palavra descadastrar.

 
  By Knirsch-Produtos Projetos e Instalações
© 2008-2018 Jorge Bruno Fritz Knirsch
Todos os direitos reservados
https://www.byknirsch.com.br